Rua Batolomeu de Ribeira, 33 Jaguaré
05330-010 São Paulo SP

011-3768-2781

E-mail.: paroquiasaojosejaguare@gmail.com

Se a escuta se torna o coração da informação

Em sua Mensagem para o Dia das Comunicações Sociais, publicada esta semana, Francisco exorta a mídia a colocar a pessoa no centro e não os interesses de parte. O Papa enfatiza a importância da escuta para promover a boa comunicação em todos os níveis. Esta necessidade é ainda mais premente num tempo, marcado pela pandemia, em que aumenta a necessidade das pessoas de serem ouvidas.

Alessandro Gisotti

“Temos dois ouvidos e uma boca, porque temos que ouvir mais e falar menos.” Esta famosa máxima atribuída ao historiador Plutarco ou ao filósofo Zenão de Cizio está bem ligada à Mensagem de Francisco para o Dia das Comunicações Sociais deste ano, publicada na segunda-feira passada, em memória de São Francisco de Sales, centrada na escuta. Um tema, este último, que o Pontífice indicou várias vezes como central para os profissionais da informação (e não só), mas que agora se torna ainda mais urgente, num momento marcado pela pandemia em que o distanciamento e isolamento social só aumentaram a necessidade de ouvir a si mesmo e os outros. Em suma, aumentou o “desejo sem limites de ser ouvido”, evocado pelo psiquiatra Eugenio Borgna já há vários anos. Escutar pede silêncio. Você não pode realmente ouvir se o ruído cobre a voz de quem está falando. Era 21 de abril de 2020, em pleno confinamento, quando o Papa disse na missa matutina na Santa Marta: “Neste tempo há tanto silêncio. O silêncio também pode ser ouvido. Que este silêncio, que é um pouco novo em nossos hábitos, nos ensine a escutar, nos faça crescer na capacidade de ouvir”. Uma capacidade, “uma arte”, diria Goethe, cuja necessidade continua sendo sentida.

A máxima citada no início, que remonta há mais de dois mil anos, sublinha como essa necessidade de dar espaço à escuta paciente, às vezes cansativa, do outro sempre acompanhou o caminho da humanidade. Primeiro escutar, depois falar. Isso vale muito mais para a escuta do Outro. Shema ‘Israel, “Escuta, Israel”: o início do primeiro mandamento da Torá, observa Francisco na Mensagem, “é repetido continuamente na Bíblia, a ponto de São Paulo afirmar que ‘a fé vem da escuta’ (Rm 10, 17). A iniciativa é de Deus que nos fala, ao qual respondemos escutando-o”. Escutar traz natural e inevitavelmente consigo o tema do encontro. Uma questão crucial na vida humana, que na era das redes sociais cada vez mais difundidas, da desintermediação digital e do avanço da inteligência artificial foi enriquecida com significados e desenvolvimentos particularmente complexos.

Fonte: Se a escuta se torna o coração da informação – Vatican News

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.